retalhos

Monday, April 19, 2004

dia NAO..

Hoje acordei assim...

Corre-me nas veias algo mais do que sangue, estou sensível, irritada...tudo me toca à flor da pele, chega mais rápido ao coração e a permanente lágrima que me deixa os olhos brilhantes não esconde nem deixa entender uma qualquer razão...
...quando estou assim, por momentos parece que sou capaz de tudo, julgar o mundo ... correr com o sentimento...dizer sempre NÃO!

Hoje acordei assim...

Sunday, April 18, 2004

a boneca das tranças

Era uma vez uma boneca esboçada no meio de uma aula qualquer...a boneca das tranças, como a chamo, sorri sempre que eu quero e preenche agora qualquer pedaço de papel velho....remata as cartinhas que escrevo, e no fim, enche de abraços e beijinhos todos por mim.
E foi assim que um dia, de mão em mão, a minha boneca ganhou uma nova versão...como gente grande quis correr, patinar...muitas e muitas coisas, e até voar.
Pronta para qualquer coisa aparece irremediavelmente sempre a tinta da minha caneta escorrega...
...primeiro aqui, depois ali...e a boneca das tranças é mais um dedinho da minha mão.
Mora um pouquinho em cada coração, têm imagens em todo o lado, e até uma pequena homenagem no meu cacifo...assinada com imaginação!

Saturday, April 17, 2004

nao tenho escrito..

Não tenho escrito...
...Evito-te...não te pego...
...e depois desculpo-me com uma falta de espaço ou tempo qualquer....
...um lugar comum, do meu ser, um contentor dos meus pensamentos, uma piscina de todos os sentires...
...pego-te, enfrento-te e é nas páginas brancas (neste caso de muitas cores), que encontro ilustrados os meus viveres, todos os dias....que não escrevi!

Tenho uma vontade louca de agarrar na caneta e escrever sem parar da 1ª à ultima folha, contar, desenhar, escrever...
Percorrer e só parar quando não houver mais espaço em mim para preencher.

Sempre escrever.....

Friday, April 16, 2004

cascais .. imagem livre

Cascais...
É luz e formas,
São cores, muitas cores
Todas elas escritas da mesma maneira,
em compassos diferentes...
São paredes gastas,
que posso tocar e sentir...
São ruas cheias de histórias.
É o instante humano...
A luz que jorra abundante,
que brilha na letra
É a palavra pequena
Que oiço vezes sem conta...
São as noites no Camões :
“a quantos vejo eu dares de beber! ”
É a aventura que te fita....
O galopar, o mar
A imagem livre, jovem...
UMMMMMMM........
É a vida, folha a folha,
O som perpétuo de quem respira.
É a noticia
Leitura de muitos....
É uma lágrima perdida .

É assim o Cascais onde nasci!

Thursday, April 15, 2004

ja dorme cascais

O vento que dança
além sobre o mar,
o vento é criança
e põe-se a brincar

Ondas uma a uma
atrás dele vão
lançando na branca espuma
as pranchas, a sensação...

Ainda no mar
segreda aos pescadores
tem que se apressar,
o céu já perde a cor

Depois sobre a areia
têm novos brinquedos,
finge que incendeia
os mudos rochedos

E sobe aos outeiros
e desce à planura,
faz dos veleiros
leques de frescura

Na Vila dormida,
na Vila tão calma
passa de repente
revolta-a, dá-lhe alma!

Já dorme Cascais!