retalhos

Monday, July 19, 2004

coimbra..

São 16h00, de uma tarde de Domingo solarenga ( como diria o começo de um bom conto qualquer...), e eu debato-me com a trepidação do autocarro que me leva de volta a Lisboa, para escrever estas linhas, para escrever mais uma vez o que sinto...
O meu pensamento, escaldado pelo sol que ensolara a minha janela, divide-se entre o lugar onde vou sentada e oito cadeiras à frente, onde vai sentado o Pedro...quase que adivinho o que pensa, sinto nos meus olhos a sua sonolência, e o mesmo sol que o aquece a ele, torna a minha pele clara;
Nas paisagens encontro o conforto de um bom Português, no céu azul a inspiração que neste desabafo se lê...
..e neste caderno, uma alternativa à companhia, essa já tombada para o lado, num sono profundo qualquer. O autocarro partira à 20 minutos e já não se ouvia uma voz, um movimento...sinto-me como um clandestino em terras alheias, a questionar-se de tudo o que vê!
As cortinas cor-de-laranja, tornam o ambiente forte e demasiado quente; por cima de mim deve existir um ar condicionado, mas verdade, é que mesmo ao meu alcance não me apetece dispensar esta mão que escreve...
...as ideias e o pensamento funcionam em coordenação,
prefiro Ter calor....e um pensamento em cada mão!